Quem é Zatti?

Artémides Zatti nasceu em Boretto (Região Emilia, Itália) em 12 de outubro de 1880. Sua família, impulsionada pela pobreza, emigrou para a Argentina em 1897 e se estabeleceu em Bahía Blanca.

Lá Artémides começou a freqüentar a paróquia dirigida pelos Salesianos de Dom Bosco, religiosos católicos dedicados à educação e evangelização dos jovens mais pobres e abandonados.

Aos 20 anos entrou como seminarista na casa de formação dos Salesianos na cidade de Bernal, Buenos Aires. Lá, ele foi encarregado dos cuidados de um jovem sacerdote tuberculoso. Artemides também contraiu a doença.

Em 1902 foi enviado ao hospital San José em Viedma. Ali foi acompanhado pelo padre e médico salesiano Evasio Garrone. Com ele, pede e obtém de Maria Auxiliadora a graça da cura com a promessa de dedicar toda a sua vida ao cuidado dos doentes.

Em 1908, recuperada a saúde, foi admitido na Congregação Salesiana como coadjutor. Ele passa a cuidar da farmácia anexa ao hospital, a única da cidade.

Após a morte do padre Garrone em 1911, ele ficou totalmente encarregado do hospital, direcionando sua expansão para transformá-lo no primeiro hospital da Patagônia.

O hospital de Viedma foi onde sua santidade cresceu. Seus dias começaram cedo:

“Às 4 :30 h, levante-se. Meditação e Santa Missa. Visite todos os pavilhões. Mais tarde, de bicicleta, visita os doentes espalhados pela cidade. Depois do almoço, um entusiasmado jogo de boliche com os convalescentes.

Das 14h às 18h, nova visita aos pacientes internos e externos do hospital. Até as 20 h trabalhava na farmácia. Mais uma visita aos pavilhões.

Até às 23h, estudo e leituras ascéticas. Então, descanso em permanente disponibilidade para qualquer chamada”.

Em 1914 optou pela cidadania argentina.
Em 1917, obteve o título de “Adequado em Farmácia” na Universidade de La Plata, e mais tarde o de Farmacêutico.

Dom Zatti dedicará quarenta anos de vida consagrada ao serviço dos enfermos da região de Viedma e Carmen de Patagones, especialmente os mais pobres.

Em 1950, Zatti cai de uma escada e é forçado a descansar. Depois de alguns meses, os sintomas do câncer se manifestaram. Faleceu em 15 de março de 1951.

Zatti amava seus pacientes de uma maneira verdadeiramente comovente. Ele viu o próprio Jesus neles.

Fiel ao espírito de Dom Bosco, exerceu uma atividade incansável ao longo de toda a sua vida, com exceção dos cinco dias que passou na prisão… para receber um preso no hospital, que depois escapou.

Mas acima de tudo, ele era um homem de Deus. Um dos médicos do hospital disse: “Acredito em Deus desde que conheci o Sr. Zatti”.

Sua fama de “santo enfermeiro” se espalhou rapidamente e o templo da obra salesiana de Viedma, onde repousam seus restos mortais, tornou-se um local de veneração popular.

Cinco anos após sua morte, a cidade de Viedma dedicou-lhe um monumento. E em 1975, a comunidade mudou o nome do hospital regional para “Artemides Zatti”.

Em 1977, os bispos da Argentina pediram ao Papa que iniciasse o processo para declará-lo santo. Em 14 de abril de 2002, o Papa João Paulo II o declarou Beato da Igreja Católica.